Blog

Prevenção – combate ao mosquito da dengue

O verão está chegando. A maioria das pessoas pensa nas férias, em viajar e se divertir, o que é muito justo depois de um ano inteiro de trabalho e estudos. Porém, não dá para esquecer de um assunto recorrente nesta época do ano: o combate ao mosquito Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, chikungunya e do zika vírus.

Segundo dados do Ministério da Saúde, até setembro de 2016, foram registrados 1.438.624 prováveis casos dos três tipos de doença transmitidos pelo mosquito. O que comprova que não é só no verão que os casos acontecem, mas é na estação mais quente do ano que eles se intensificam, pois a junção de chuva + calor favorece a proliferação do mosquito.

A transmissão da dengue, chikungunya e zika vírus é feita pela picada da fêmea do mosquito Aedes, quando esta já está infectada pelos vírus, pois o mosquito adquire o vírus após picar alguma pessoa infectada. Os sintomas começam a se manifestar até 3 dias depois da picada do mosquito, e se intensificam com o passar dos dias. Por isso, procure atendimento médico imediatamente se começar a sentir os sintomas abaixo:

  • Febre alta com início súbito;
  • Dor de cabeça;
  • Dor atrás dos olhos;
  • Perda do apetite;
  • Manchas avermelhadas na pele;
  • Náuseas e vômitos;
  • Cansaço extremo;
  • Dor e moleza no corpo;
  • Dor nos ossos e articulações.

Se além destes sintomas, a pessoa apresentar dores abdominais fortes e contínuas; vômitos persistentes; pele pálida, fria e úmida; sangramento pela boca, nariz e gengivas; dificuldade respiratória; boca seca e sede excessiva; sonolência, agitação e confusão mental e perda da consciência é sinal que está com dengue hemorrágica, um quadro clínico mais grave, que pode levar a pessoa à morte em até 24 horas. Evite se automedicar, pois medicamentos com ácido acetilsalicílico, presente na aspirina, por exemplo, pode agravar a hemorragia.

Por ser o mosquito o vetor destas doenças é tão difícil controlar. Mas se desde já tomarmos algumas medidas muito importantes podemos contribuir com o combate aos criadouros do mosquito: eliminando locais como vasos de plantas, pneus, garrafas, copos e outros recipientes que podem acumular água parada – de chuva ou não – e se tornar um local perfeito para que a fêmea do mosquito deposite seus ovos.

Na figura abaixo, há ainda mais informações sobre o combate ao mosquito da dengue:

dengue
(Fonte: www.dengue.org.br)
Na hora de viajar:

Depois de tomar as devidas precauções em sua casa e se preparar para viajar, verifique as condições da doença no seu destino. No Portal da Saúde do Ministério da Saúde há boletins epidemiológicos que mostram o monitoramento da doença em todas as regiões do país. Além disso, use muito repelente. Se possível, coloque telas de proteção nas janelas e portas das casas. Se você ou alguém próxima estiver grávida, redobre os cuidados, pois já é sabido que o zika vírus, quando no corpo de uma grávida, afeta o desenvolvimento neurológico do bebê, deixando-o com uma má formação irreversível chamada microencefalia. Segundo o Ministério da Saúde, 80% dos infectados por zika vírus não apresentam sintomas da doença, os outros 20% apresentam febre, dores das articulações, olhos vermelhos, coceira e manchas na pele, porém são sintomas muito mais leves que os casos de infecção por dengue.

Contribua com o combate ao mosquito da dengue para proteger a sua saúde e de toda a comunidade. Nós, do Portal Rodoviariaonline, também fazemos a nossa parte!

(Por Renata Sklaski)