Blog

Você usa o cinto de segurança nas viagens de ônibus?

A resposta para a questão que intitula este artigo parece óbvia, pois o cinto de segurança é um item de segurança obrigatório, previsto no Código de Trânsito Brasileiro. Mas na prática, não é bem assim.

Em 1999, o Conselho Nacional de Trânsito – Contran – diante da obrigatoriedade do uso do cinto de segurança em todos os veículos, inclusive nos ônibus de linhas intermunicipais e interestaduais, deu às empresas o prazo de 15 anos para se adaptarem. O período venceu no início deste ano e, desde então, as empresas que não dispuserem deste item em seus veículos serão autuadas em infração grave e pagarão multa de R$ 127,00.

Cinto de segurança é obrigatório. Veja os cuidados que você deve ter nos ônibus de viagens.
Cinto de segurança é obrigatório. Veja os cuidados que você deve ter nos ônibus de viagens.

As empresas de ônibus tiveram de investir em sua frota para se adequar às leis de trânsito brasileiras. Mas nada adianta ter os cintos disponíveis se eles não forem usados durante os trajetos. Em caso de uma fiscalização, se algum passageiro se recusar a usar o cinto, a viação será responsabilizada e multada.

Segundo a ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres – o uso do cinto de segurança reduz em 40% o risco de fraturas graves e em 75% o risco de morte do passageiro em caso de acidentes. Mesmo assim, apenas 2% dos passageiros usam o item de segurança nas viagens de longa distância.

Por isso o foco, agora, está em ações educativas voltadas aos passageiros, seja nas rodoviárias ou quando já estão dentro dos ônibus, prontos a partirem. A conscientização sobre a importância de fazer uso deste equipamento de segurança é o principal, mesmo ele sendo obrigatório e sua utilidade já ter sido comprovada em inúmeros casos.

Se você é um passageiro de ônibus habitual, mas que mesmo assim esquece de colocar o cinto, comece a ter mais cuidado na hora que entra no veículo. Regule o cinto de segurança para você de forma confortável antes mesmo do ônibus partir, deixando-o afivelado durante todo o trajeto. Isto é um ato de amor e respeito por si mesmo, além de servir como exemplo para que outros passageiros façam o mesmo.

(Por Renata Sklaski)