Blog

Adiantando o relógio para o horário de verão

Como é de praxe, estamos a dois dias do início do horário de verão. E também como acontece todos os anos, começa a discussão entre o grupo que ama e o grupo que odeia adiantar em uma hora o relógio. Mas gostando ou não, o jeito é se acostumar, pois não há meio de fugir dele. Quer dizer, pelo menos para os brasileiros que vivem nos Estados do Sul, Sudeste e Centro-oeste do Brasil, incluindo o Distrito Federal. Então, a partir da meia-noite de 19 de outubro, dez Estados terão seus relógios adiantados, e que assim permanecerão até 22 de fevereiro de 2015. Apesar do horário de verão não vigorar em todo o país, ele acaba afetando a rotina até nas cidades onde não será colocado em prática, pois muitos serviços, como bancos e companhias aéreas, funcionam de acordo com o horário de Brasília. Procure se informar se isto acontecerá na sua cidade!

Esta é a 39ª vez em que o horário de verão entra em vigor no país. A grosso modo, aqueles que defendem e gostam desta medida afirmam que sair do trabalho mais cedo, com o sol ainda brilhando, permite que aproveitem para realizar atividades ao ar livre, realizando caminhadas ou apenas levando as crianças para passear no parque. Mas não é só isso: segundo dados do Ministério de Minas e Energia, a última edição teve uma economia de R$ 405 milhões em energia elétrica, já que as pessoas passam a acender as luzes de casa mais tarde, aproveitando por mais tempo a luz natural do dia.

Se você é morador do Mato Grosso, ou Mato Grosso do Sul, Goiás, Distrito Federal, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina ou Rio Grande do Sul, vai se preparando para regular o relógio, adiantando-o em uma hora a partir da 0h de domingo. E é claro que os que têm passagens compradas e viagens agendadas, principalmente nos primeiros dias do novo horário, devem ter atenção redobrada para não perder seu ônibus. Afinal, a melhor saída é se acostumar o mais breve possível. E, por que não, encontrar um meio de aproveitar!

(Por Renata Sklaski)