Blog

20 de Novembro – Dia da Consciência Negra

Amanhã, dia 20 de novembro, muitas cidades vão parar pois será feriado: o Dia da Consciência Negra. Porém, você sabe um pouco da história desta data e porque ela foi escolhida?

Com certeza você deve se lembrar da história do Quilombo dos Palmares, localizado na Serra da Barriga, atual Estado de Alagoas. Os quilombos eram comunidades que acolhiam escravos que conseguiam fugir do domínio dos seus ‘proprietários’. Normalmente, ficavam em locais de difícil acesso, para que pudessem resistir a possível captura. O Quilombo dos Palmares teve seu ápice de crescimento entre 1630 e 1650. Apenas em meados de 1670, Zumbi assumiu o controle do quilombo, onde resistiu bravamente até o dia de sua morte, em 1695, cometida por bandeirantes. Zumbi foi morto no dia 20 de novembro daquele ano e, desde esta descoberta, o dia passou a ser referenciado como da consciência negra e de Zumbi, símbolo maior da resistência e liberdade negra.

Porém foi apenas em novembro de 2011, por meio da lei nº 12.519 que a data foi reconhecida oficialmente pelo governo brasileiro. A partir daí, muitos municípios incluíram a data no seu calendário de feriados, sendo esta adoção facultativa. Atualmente, são mais de mil municípios brasileiros que consideram a data como feriado, entre elas estão Rio de Janeiro, Cuiabá e São Paulo.

Além do Dia da Consciência Negra ser um gancho para novas discussões e debates em torno da questão, onde muitos movimentos negros espalhados pelo país promovem eventos de cunho social e político, a data também é marcada por inúmeras manifestações culturais de origem negra. Em São Paulo, por exemplo, há uma intensa programação cultural espalhada pela cidade com atrações como Chico César, Paulinho da Viola e até atrações internacionais, como a banda Inner Circle e o nigeriano Keziah Jones. A cidade também receberá a peça “Lima Barreto, ao Terceiro Dia”, espetáculo que conta a vida e obra deste jornalista e escritor natural do Rio de Janeiro, filho de escravos.

Apesar de a capital baiana, Salvador, não adotar a data como feriado, as comemorações em torno do Dia de Zumbi ganham as ruas da cidade. Tem Fórum de Culturas Negras e muita música de grupos étnicos no Pelourinho. Uma festa bonita de se ver.

Aproveite o dia para praticar o respeito ao próximo, independente da cor da sua pele, e diga não a qualquer tipo de repressão. Afinal, nosso país é o retrato da miscigenação, onde se vai à missa e depois se oferece flor à Iemanjá, onde se joga rúgbi e também capoeira, onde se vê ‘loirinhas com cabelo bombril’, como já cantaram os Paralamas do Sucesso… Um ‘viva’ à diversidade brasileira e toda a riqueza provinda da cultura negra!

(por Renata Sklaski)